Tecnologias em Agricultura de Precisão

duração: 4 semestres
120 ECTS (78 obrigatórios em UCS; )
data de acreditação: 06/03/2018
prazo de acreditação(anos): 6
Cód. Par Estabelecimento/DGES: 0602/

Apresentação

Segundo as projeções atuais a produção de alimentos necessita de crescer 60% até 2050 para alimentar toda a população do planeta. Esta necessidade premente está a promover grandes mudanças no setor da produção agrícola e alimentar no mundo. O desafio é pois produzir mais com menos, uma vez que os recursos são cada vez mais escassos e os impactos são cada vez mais elevados. Desta forma, o princípio filosófico da Agricultura de Precisão faz cada mais sentido: “Tratar diferente aquilo que é diferente, utilizando para tal tecnologias estáveis, aferidas e calibradas por forma a aumentar a eficiência dos processos agronómicos, económicos, ambientais e sociais.”   A partir de sensores remotos (satélites) e próximos (geoelétricos); de equipamentos inteligentes que logram gerir taxas variáveis (VRT) na aplicação de fatores de produção; da internet das coisas (IoT), do “machine learning” e de outras técnicas de inteligência artificial já se gere atualmente as relações solo-água-planta. O ato agronómico está a transformar-se radicalmente e cada vez mais assente em dois tipos de inteligência, a humana e a artificial, por forma a ser possível gerir grandes quantidades de informação em tempo quase real, para uma decisão oportuna e cada vez com menores riscos. Em associação, a UÉvora (ECT) e a UNova (FCT), com base na longa experiência e produtividade científica que detêm neste âmbito, oferecem aos alunos deste mestrado experiências pedagógicas inesquecíveis, bem como uma preparação ímpar na gestão de processos e de tecnologias em Agricultura de Precisão.

Saídas Profissionais

Num âmbito mais lato, gestores de tecnologia em Agricultura de Precisão; num âmbito mais restrito, poderão do ponto de vista profissional: i) desenvolver levantamentos geoelectricos em empresas que estudam a variabilidade espacial do solo, bem como o estudo inteligente da variabilidade espacial dos seus nutrientes; ii) elaborar mapas de aplicação variável (VRT) de nutrientes e outros fatores de produção, nomeadamente fertilizantes e sementes; iii) operar distintos tipos de GNSS, seja para georeferenciação de parcelas, amostragens de solo, plantas e outros; iv) operar distintas máquinas e equipamentos agrícolas, nomeadamente na gestão diferenciada de factores de produção; v) desenvolver trabalhos ao nível dos sensores remotos, nomeadamente no processamento de imagens de satélite com aplicações agronómicas; vi) desenvolver trabalhos ao nível dos sensores próximos, nomeadamente na monitorização de parâmetros de gestão (quantidade e qualidade) das culturas; vii) desenvolver trabalhos ao nível do processamento de grandes volumes de dados, utilizando para tal linguagens de programação apropriadas; viii) instalar sensores IoT, bem como gerir a aquisição de grandes volumes de informação; ix) trabalhar com técnicas de inteligência artificial e manuseamento de grandes volumes de dados; x) desenvolver estudos económicos na implementação de novas tecnologias; xi) desenvolver investigação aplicada no âmbito da Agricultura de Precisão.

Gestor Académico

Hugo Alexandre Velho Vilalva Sena

Teses Concluídas

Clique aqui.